quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Outras maneiras de falar?

Acho totalmente estranho, pais de trinta e poucos anos, nos dias de hoje, ensinarem as suas crianças a tratá-los por "você" e tratarem-nos também por você... é algo que não me encaixa na cabeça, por mais que tente. 

Ainda não vi nenhum argumento lógico para tal comportamento. Antigamente, a relação entre pais e filhos era outra. Habitualmente, não eram relações tão próximas, como hoje é normal serem, e existia esse hábito (que ainda existe em alguns lares), mas por uma questão de respeito à idade! Agora nestes casos, em que também os filhos são tratados por você, dá-me vontade de espetar um soco nesses pais "copinhos de leite". Que é que a criança vai achar, quando for confrontada com o mundo real e for tratada, como todas as crianças, pela horrível segunda pessoa do singular?! Que é que elas vão pensar, quando virem os seus desenhos animados tratarem-se por tu? 

- Mãe, você não acha estes desenhos animados tão desapropriados? - pergunta a Constança.
- Ai querida filha, não se preocupe, que eu fiz uma nova dobragem, apropriada para si! - responde a mãe.

Isto é algo que tenho vindo a notar cada vez mais em blogs sobre o dia-à-dia de como ser mãe. Quando começo a ler e noto isso, deixo logo de me interessar, porque simplesmente soa a falso! Felizmente, parece que o Norte ainda não atingiu esse nível de hipocrisia social (embora devam existir por aí dessas tias), porque sejamos francos, é o que isso é. Apregoam aos sete ventos, que a relação com os seus filhos é de grande proximidade, mas depois ensinam os putos a tratarem-nos por você e dão lhes ares de príncipes e princesas, tratando-os nesses modos também, qual monarquia renascida! 



 A minha única questão é: está a escapar-me o objectivo central destas formalidades forçadas?

2 comentários:

Ângela disse...

Hum, eu acho que na maioria das vezes não é forçado. É mesmo assim. Pelo menos, dos exemplos de pessoas que já vi, os pais que dizem aos filhos para tratar por "você" e tratam assim também aos filhos, também fazem/fizeram isso aos seus pais.

Aliás, eu sempre tratei/trato por "você" os meus avós e tios e confesso que me mete um bocado de impressão ver pessoas que tratam por tu aos avós ou tios... :/

O mais "chocante" que vi foi uma senhora de 40 anos dizer que trata toda a gente (incluindo os seus irmãos mais velhos) por você... Entendo que se ela nunca teve outra realidade, que não consiga tratar as pessoas de outra forma.

Ana Luisa Alves disse...

Eu entendo que existam formas diferentes...mas hoje em dia, parece coisa de tia de Cascais! Principalmente, quando depois as crianças se chamam todas: Constança, Matilde, Afonso, Henrique....Não consigo evitar rir-me e achar deslocado dos dias de hoje...em que há tanta informalidade! Até nas empresas e na radio essa informalidade já é realidade!