domingo, 15 de julho de 2018

Yoga - A minha experiência

Há três meses atrás resolvi inscrever-me no Yoga. Andava cheia de stress e com dores de costas e tinha finalmente tempo para uma actividade extra trabalho.

Até então o meu único contacto com a modalidade (se é que se pode chamar isso ao Yoga), consistia nuns vídeos que vi no Youtube e numa aula que fiz há muitos anos atrás, que me deu imensa vontade de rir.

Por iniciativa própria, procurei um local especializado e acreditado pela Confederação Portuguesa do Yoga. Queria ter a certeza que estava a ter contacto com o verdadeiro Yoga e não com a modalidade alterada que trabalha apenas a parte física e descura a mente. 

Ainda assim, a primeira aula foi um choque. Não estava há espera de algo tão zen. Confesso que quase me parti a rir na parte em que fizemos exercícios que consistiam literalmente em fungar de forma vigorosa e em cantar palavras sem sentido, como se estivéssemos num qualquer culto de bruxaria. No entanto, com o passar do tempo, o que era motivo de riso, tornou-se normal e até útil. 

Nas aulas trabalhamos vários aspectos de nós mesmos: a parte física e de flexibilidade, o controlo sobre a respiração e o controlo sobre a nossa mente e os nossos pensamentos. Não há aula em que comece a suar de forma profusa, ou me sinta a desfalecer. Não é uma modalidade em que o objectivo seja perder peso (ou a barriga), ou em que sinta que a frequento com esse fim. Actualmente pratico Yoga, porque me ajuda a desligar um bocadinho do correrio e das tarefas mundanas. Sinto-me mais flexível, as costas não me doem tanto e ajuda-me a relativizar certas energias negativas. Mas atenção, não faz milagres por si só. O trabalho continua a ser nosso, mas cada ferramenta é preciosa.

Entretanto, resolvi experimentar praticar Yoga noutro local e com outra professora, e é sempre diferente. Por isso, se acham que não gostam de Yoga, porque já o praticaram em determinado momento e não se deixaram cativar, pode acontecer que não tenha sido com o professor/ra mais indicado/a. Pode também acontecer que o problema esteja na escola de Yoga, já que existem várias com filosofias bem díspares. Se mesmo insistindo, não gostarem, amigos á mesma! 







sexta-feira, 13 de julho de 2018

Projecto Gatil Simãozinho - Um exemplo a apoiar!

Há mais ao menos um ano e meio mudei-me para Guimarães. Vim eu e o meu namorado. Não conheciamos ninguém, mas foi fácil mudar isso. Viver nesta cidade é diferente de todos os outros locais onde vivi (e já vivi em pelo menos 3 cidades diferentes). Viver em Guimarães é como viver numa aldeia em ponto grande, onde toda a gente se conhece.

Claro que ser veterinária, também ajuda a conhecermos meio mundo, mas os vimaranenses tem um orgulho próprio que encanta alguns e consegue ao mesmo tempo repelir outros (Olá bracarenses!). No entanto, assim que se consegue ultrapassar essa carapaça de orgulho e fanatismo futebolístico, somos rapidamente bem recebidos.

Para além de um centro histórico lindíssimo, Guimarães tem também algo de único no país: um projecto de escola muito bem elaborado e estimado, que se encontra na Escola EB 2 e 3 Santos Simões - O Gatil Simãozinho.



O Gatil Simãozinho, não é uma associação, mas antes o refúgio para cerca de 50 gatos e gatas vitimas de abandono, negligência, e/ou maus-tratos. Foi criado há 9 anos, como um projecto de escola e é mantido pela Professora Luísa Veiga, que, juntamente com alguns voluntários e alunos, dá a qualidade de vida que estes animais não tiveram a sorte de encontrar noutro local. 

Lembro-me da primeira vez que fui ao Gatil Simãozinho. Fui chamada para ver as orelhas de um gatinho que detestava sair do seu local. Ao transpor o pequeno portão fiquei totalmente fascinada pelo local. Como amante de gatos, que não os pode ter (obrigada namorado por seres alérgico), entrar no gatil pela primeira vez e ser imediatamente rodeada por mais de 30 gatos curiosos, foi sem dúvida das coisas mais fascinantes que experimentei. 



Todos os dias estes animais tem de ser alimentados, os sanitários tem de ser limpos, e aqueles que tem alguma patologia tem de ser avaliados e tratados. Dá muito trabalho e trás muita despesa. Já para não falar dos tratamentos profiláticos: vacinações e desparasitações. Para tentar dar conta do recado, são inúmeras as iniciativas que a incansável Professora Luísa e os seus voluntários organizam: feirinhas semanais na escola, caminhadas solidárias, recolhas em alguns locais específicos (clínicas veterinárias, por exemplo), almoços e jantares solidários...Ainda assim é difícil dar resposta ás exigências destes animais.



A gestão do gatil torna-se ainda mais complicada com um dos maiores flagelos da sociedade portuguesa: o abandono animal. Só nesta semana foram 8 os gatinhos e gatinhas que foram abandonados ás portas do gatil: 4 numa caixa transportadora que penduraram nas grades da escola ao sol abrasador, sem água e sem comida alguma; 4 num saco de plástico preto. Estes últimos ainda mamavam e já estavam a ser comidos por larvas de mosca, quando foram encontrados. Todos acabaram por morrer.

Para estas pessoas cruéis e ignorantes é fácil atirar o problema para os outros. Acredito que dificilmente estes seres humanos possam ser salvos, ou reformatados a pensar de forma humanitária, mas talvez ainda se consiga fazer algo pela educação e pelo civismo dos filhos e netos deles. Porque enquanto a sociedade não compreender que a solução para o excesso de animais de rua e abandono, não é atirar o problema para as associações e para as outras pessoas, mas sim fazer parte da resolução desta calamidade pública, nada vai mudar. Quem se importa vai continuar a lutar até ficar sem forças e se sentir exausto, porque a bola de neve nunca vai ter fim. 

É por causa desta falta de educação, civismo e respeito pelos seres vivos, que projectos como o Gatil Simãozinho são muito importantes. A sensibilização das pessoas e, sobretudo das crianças, é aquilo que lentamente vai fazer com que a bola de neve que é a problemática do abandono animal, pare de crescer.

Deixo aqui o convite para que visitem a página de Facebook do Gatil Simãozinho, façam algum tipo de doação, ou simplesmente convidem os vossos amigos a fazer um "gosto" na página. É importante que estes projectos sobrevivam e se tornem a regra e não a excepção. 

Se souberem de mais projectos de escola semelhantes, por favor deixem a informação na secção de comentários, já que gostava imenso de conhecer!  




quarta-feira, 11 de julho de 2018

"Kafka à Beira Mar" - Haruki Murakami

"Kafka à Beira Mar" é dos livros mais estranhos com que alguma vez me cruzei; é um livro que nos consegue agarrar até ao ultimo ponto, mas que ao mesmo tempo parece que brinca connosco, deixando mais questões no ar do que aquelas a que responde.

A história é contada sob a perspectiva de duas personagens completamente distintas, cujo caminho converge para um mesmo ponto: Kafka Tamura (nome fictício), um rapaz de 15 anos, com uma maturidade estranhamente precoce, que foge de casa, em busca de algo mais do que uma mera existência e Nakata, um senhor já idoso, que em jovem sofreu um misterioso acidente que o deixou mentalmente limitado, mas com a habilidade de falar com gatos. Os capítulos vão alternando entre o percurso de uma e outra personagem e ao longo da narrativa, a linha que separa o real do irreal vai ficando cada vez mais fina, até que se rompe por completo.

Há tanta coisa a dizer sobre este livro, que se torna difícil escrever uma opinião. É difícil falar acerca daquilo que não se compreende na integra. 

Li algures numa review do Goodreads, que este não é um bom livro, para quem quer entrar no mundo literário de Murakami. Considero que seja verdade, para uma grande parte das pessoas. Apesar de adorar a forma simples como o escritor escreve, é preciso estar preparado para o surrealismo e simbolismo que estas histórias sempre trazem. No caso de Kafka à Beira Mar, o simbolismo e o mundo Murakami atingem o seu expoente máximo: as personagens solitárias, os mundos paralelos, os gatos, a música, as descrições sexuais explicitas e estranhas...está tudo presente e para quem nunca leu Murakami o choque pode ser demasiado grande.  

Se há 5 anos atrás tivesse pegado neste livro, em vez de (sei lá...), o Norwegian Wood nunca mais teria pegado num livro deste escritor. Para compreender Kafka à Beira Mar não basta ler este livro uma só vez. É preciso ler mais do que uma vez e conhecer Haruki Murakami, pessoalmente! Por isso, sim...talvez seja um livro incompreendido para o comum mortal, mas é um livro que adorei ler e que estará na minha lista de leituras a repetir. 




domingo, 1 de julho de 2018

O que ando a ler e isto era suposto ser um blog sobre livros

Olá pessoal! Tudo bem? Sim, tenho andado bastante ausente. Temo que este ano vá ser ainda pior no que se refere ao número de leituras. Mil desculpas por isso. Confesso que ando a falhar. 

Neste momento estou a ler várias coisas ao mesmo tempo, incluindo três revistas da National Geographic, um volume da saga Harry Potter, um livro do Murakami e outro do Maximo Gorki (só, porque o mundial é na Rússia). Ando a arrastar todas estas leituras, porque tenho tido dificuldades em fazer uma coisa: deixar o trabalho e o stress de lado.

Sempre fui uma pessoa bastante ansiosa, mas ultimamente tenho andado mal alinhada com a vida. Nada de que não ande já a tratar, mas faz com que a vontade de ler não apareça com frequência. 

Por outro lado, tenho andado a ver imensas séries televisivas:

The Handmaid's Tale S02;
13 Reasons Why S02;
New Girl Snão sei quantas...é a última;
A Casa de Papel S02;
Westworld S02;
Genius: Picasso

Sim. Muitas séries e poucos livros. 

Com o inicio de Julho, vem também uma semaninha de férias. Vou aproveitar para apanhar algum sol e para ler um bocado. Prometo que em breve virei aqui escrever alguma coisa de jeito, mas enquanto a inspiração não volta, deixo-vos apenas este pequeno update.



domingo, 8 de abril de 2018

Uma Pequena História do Mundo, de E.H.Gombrich

"Uma Pequena História do Mundo", do escritor austríaco E.H.Gombrich, é um dos melhores livros que já li.

Já me tinham falado deste pequeno livro, há cerca de cinco anos atrás, mas nunca o tinha encontrado em nenhuma biblioteca pública. Estes dias, ao passear pela secção de livros na FNAC, deparei-me com uma edição recente da Tinta da China e não hesitei em comprá-lo. 

Este é um livro dirigido a um público jovem, que fala, apenas em 400 e tal páginas, da história da humanidade. Parece pouca página para se falar de um tema tão complexo e vasto, mas a forma como está escrito consegue prender-nos e levar-nos directamente para o passado, sem que seja necessário fazer uso de personagens, ou enredos; a própria humanidade é a personagem central. 

Uma das coisas que noto, agora que já conclui o meu percurso académico, é a forma como as aulas de história eram centradas essencialmente na Europa Ocidental, em batalhas e datas, em reis e rainhas. Senti que existia um grande vazio acerca do que se passava na Europa de leste e na área que hoje em dia corresponde à Alemanha e à Áustria. Também não era dada muita atenção à Ásia e os meus conhecimentos, em termos históricos, dessas regiões sempre foram muito limitados e este pequeno livro, ajuda a trazer uma nova luz, para essas mesmas falhas; fala da história do mundo e não apenas da Europa Ocidental e dos grandes impérios.  

Há certos aspectos e dúvidas que sempre me assombraram, em termos de cultura geral, que são facilmente explicados neste livro. Por exemplo, porquê que a Primeira Guerra teve inicio? Como é que a morte de um monarca austríaco, podia levar a que todas as nações entrassem em conflito? A contextualização e a forma simples, como E.H.Gombrich escreve, torna fácil e até empolgante, desvendar esta e outras questões, sem que seja preciso perceber grande coisa de politica. 

Recomendo este livro a todas as pessoas curiosas e principalmente a quem nunca tenha gostado de história, quer sejam crianças, ou adultos. É um livro que vale mesmo a pena ler e dos poucos que acho que merecem um 5* no Goodreads.  


sexta-feira, 6 de abril de 2018

O controverso caso de Amelie

Amelie era a cadelinha de estimação da actriz portuguesa Maria João Bastos. Há coisa de dois anos, foi submetida a uma anestesia geral, para fazer uma limpeza dentária, tecnicamente chamada de destartarização, num hospital no sul do país. Após a alta, algo não correu bem e a cadelinha deu entrada de urgência, acabando por falecer. Esta é a versão resumida, sem especulação, sem detalhes e sem juízos de valor.

O que se seguiu poderia ter ajudado a trazer alguma conclusão acerca da causa de morte da cadelinha, mas tal não aconteceu, uma vez que a actriz, no meio da sua dor e perda, optou por vir para o Facebook "gritar" a sua revolta, para com o hospital e a médica veterinária que acompanhou a cadelinha.



Os comentários a esta publicação, foram vergonhosos, com insultos do pior à médica, ameaças de morte, críticas e mais insultos a toda a minha classe profissional. Isto resultou num processo de difamação contra a actriz, cujo veredicto foi publicado estes dias, sendo a actriz ilibada e optando, dois anos depois de iniciado o processo crime, por repetir as acusações. 

Se eu não fosse veterinária, se calhar até acharia aceitável a atitude da senhora e isto fez-me pensar que realmente não devemos levar uma rede social tão pouco a sério, em nenhuma área profissional. Devemos ter cuidado com o que optamos por publicar, e essa responsabilidade é ainda maior, quando somos uma "figura pública". 

Neste caso, ninguém, a não ser as pessoas envolvidas de forma directa, esteve lá para saber o que realmente se passou no pós-cirúrgico deste animal. Até pode ter sido erro da médica, ou se calhar até foi a dona que não vigiou o animal como devia, ou deu-lhe comida muito cedo. Não sabemos! No entanto, errar é humano, mas não é humano linxar em praça pública percursos profissionais que exigiram anos e anos de sacrifício. As responsabilidades devem ser sempre apuradas e procuradas, usando os meios adequados.

O que também me deixou desapontada foi a forma espantosa, como num momento somos os melhores profissionais do mundo e, ao mínimo deslize, como se erros de matemática a medicina veterinária se tratasse, passamos a ser os piores. Há bons e maus profissionais em todo o lado e eu não conheço o trabalho desta médica, mas sei que é humana e espero nunca ter de passar por semelhante situação. Ninguém erra porque sim. A perda de uma vida não é só traumática para os donos é, e ainda mais se acharmos que a culpa poderá ter sido nossa, para os profissionais que os tratam. 

Infelizmente a medicina veterinária não é matemática e os veterinários não são robots. É triste sentir que realmente os anos que passamos a estudar e o tempo que investimos nesta profissão, e as horas que passamos longe de quem gostamos, são cada vez menos valorizados pelos portugueses. Acredito que isto seja válido noutras profissões também. O atendimento e interacção com o público nem sempre é fácil, mas há limites. Dá mesmo vontade de pegar nas malas e ir para fora, para países onde somos tratados com respeito e carinho. 

Toda esta história se tornou num circo de acusações onde o importante ficou por esclarecer: afinal qual foi a causa de morte da Amelie? Tudo se perdeu; a cadelinha, a dignidade de todos os envolvidos e acima de tudo, a verdade.