quarta-feira, 17 de Setembro de 2014

"Lisboa, pela primeira vez!" (mais ao menos)

Já estive em Lisboa algumas vezes. Fui à Expo 98, fui ao Zoológico há uns valentes anos e visitei aquela zona da Torre de Belém e do Mosteiro dos Jerónimos, há ainda mais anos atrás. 

Foi só este ano que tive a minha primeira visita a sério à capital e não desgostei! Não esperem que diga que adorei a cidade! As pessoas do norte dificilmente dizem isso, acho que é por uma questão de orgulho/vingança, para com as pessoas que de lá pensam conhecer o país e o comandam de forma tão triste...nada pessoal...

É uma cidade interessante onde se passear, com muitas coisas giras para ver e onde dificilmente nos aborreceriamos. As lojas e os museus são imensos e os turistas ainda mais. No entanto, não conseguiria ser completamente feliz em Lisboa. Não gosto de cidades muito grandes. Fazem-me sentir asfixiada. Para além de toda a gente andar a correr de um lado para o outro, falta-lhe o falar alto e o calor das pessoas de cá de cima e falta-lhe os espaços verdes tão grandes, como aqueles a que tenho acesso, em cidades mais pequenas como o Porto, Braga ou Viana (o Gerês não está mesmo ao lado, nem o Marão, nem o Alvão...). Além disso, não percebo como é possível conduzir em Lisboa! Entraria em pânico de certeza! XD

Aqui ficam as fotos da aventura pela nossa capital, sempre na melhor companhia e com os melhores guias, que me fizeram ver a cidade de um prisma diferente!

 Arco da Rua Augusta, Terreiro do Paço
 Elétrico, naquela rua que custa a subir
 "Casa dos Bicos" (posso fazer uma piada porca?), Fundação José Saramago
 Borboletário, Jardim Botânico
 Mercado da Ribeira, Cais do Sodré

Oceanário

quarta-feira, 10 de Setembro de 2014

Será que estou a ficar velha?

Esta semana o meu irmão foi inscrever-se como caloiro na Universidade. Fui com ele divertir-me i-m-e-n-s-o em filas intermináveis. Enquanto esperava numa dessas filas, estava a ler e a ouvir o que se estava a passar à minha frente (não deu para evitar!). Duas raparigas com um "AP" (abreviatura de administração pública) pintado a azul na testa, discutiam uma com a outra, acerca dos cursos onde tinham sido colocadas:

- Tenho pena de ti, por ires para Eng.Mecânica! Por outro lado até não é mau.. -dizia a que realmente tinha entrado em AP.
- Pois, assim tenho muitos rapazes à minha volta- respondeu outra, enquanto ambas se riam - Mas olha, vou ligar então aquela minha amiga, para ela te explicar o que é e para que serve Administração Pública.
- Ok! É que eu nem sei. Olha, ao menos acho que no meu curso 75% são raparigas. Eu queria era ter entrado em Direito. - respondeu a outra.



Não pude deixar de pensar o quão ridículo é uma pessoa colocar na folha de candidatura um curso que nem sabe o que é, quais as saídas profissionais, ou outros pormenores igualmente importantes! Presumo que a leviandade com que se escolhe o curso, seja uma das consequência da facilidade com que se acede ao ensino superior nos dias de hoje...

É bom vivermos numa sociedade onde as pessoas tem formação académica, mas a partir do momento em que essa formação é possível a quase toda a gente, com poucos ou nenhuns filtros, a coisa começa a correr mal. Sinto isso, pelo que vejo na minha Universidade. As aulas, em muitos cursos, não são mais do que o continuar de um Secundário, onde a fasquia é baixa, porque simplesmente não tem de ser alta. 

Comecem a subir a fasquia! Ou o que vai acontecer é que vão começar a aparecer imensas pitas, que nem sabem o que é o curso onde foram colocadas, como esta que se me deparou nesse dia. 

É oficial - discurso de velhota.


Passatempo "Regresso às Aulas"

O Baú dos Livros, juntou-se aos projectos "Atelier Dashana", "As Artes da Qiu", "Blue Cat Crafts" e "Bymia Manualidades", para vos oferecer este Cabaz de Regresso às Aulas! Vamos festejar a Rentrée como deve ser!

Inclui:
-"O Primeiro Livro do Diário de Sofia" (Baú dos Livros);
- Porta Documentos com tecido à escolha (Atelier Dashana);
- Estojo e Caderno em EVA (As Artes da Qiu);
- Estojo com Padrão Mocho (Blue Cat Crafts);
- Caderno Forrado (Bymia Manualidades);

Para participar, basta preencher o formulário Rafflecopter! (em baixo)
O passatempo termina às 24h do dia 18/10/2014.
Aceitam-se participações de moradores de Portugal Continental e Ilhas. 
 
Após a selecção do vencedor, este será contactado por cada uma das páginas referidas, que serão as responsáveis pelo envio do respectivo prémio, incluído no Cabaz "Regresso às Aulas"!
 
a Rafflecopter giveaway

sexta-feira, 29 de Agosto de 2014

Estágio de Verão 2014!

Nestas últimas duas semanas de férias aproveitei para fazer um mini-estágio de Verão.

Os dias começavam no ponto de encontro marcado. Lá entrava eu no carro, com o meu fato-de-macaco, a minha mochila e as minhas galochas de Inverno. Não sou muito faladora quando conheço alguém, mas lá fomos arranjando temas de conversa, para o período das viagens entre as visitas às explorações.

Com o que é que me deparei? Com algo que não nos ensinam na Universidade; com a realidade das explorações leiteiras e com uma amostra dos desafios que estas enfrentam. 

Durante o estágio, tive a oportunidade de assistir a uma série de cirurgias para resolução de Deslocamento de Abomaso, à esquerda e à direita (mais raro, apenas vi 3); assisti à resolução de uma Torção Uterina; vi como é feita a gestão reprodutiva/de fertelidade de algumas explorações; treinei os sentidos e a observação, ao ver fazer e a fazer exames físicos; fui testada com perguntas que me deixaram envergonhada por não saber responder e, ao mesmo tempo, com vontade de saber responder; ouvi histórias de experiências engraçadas dos agricultores e dos médicos; senti-me entusiasmada por não saber o iria encontrar depois. 

Foram apenas 10 dias a acompanhar veterinários que trabalham essencialmente com explorações de bovinos leiteiros, mas serviu para me esclarecer sobre as minhas dúvidas recentes; é realmente isto que me imagino a fazer num futuro próximo! 


 


domingo, 24 de Agosto de 2014

"Outlander" - Diana Gabaldon

"Outlander" é o primeiro livro de uma série de oito volumes. Escrito por Diana Gabaldon, foi publicado pela primeira vez em 1991 e não me lembro muito bem como vim dar com ele. Acho que foi, quando navegava pelo Goodreads à procura de livros com algum sucesso. Fiquei intrigada pelas opiniões tão díspares que fui encontrando, assim como com as comparações com o 50 Sombras de Grey (que detestei!)

O enredo também parecia ter algum potencial: Claire Randall, uma enfermeira do pós Segunda Guerra Mundial, está a passar umas merecidas férias com o seu marido na Escócia, quando, graças a uma estrutura com uma disposição semelhante à do famoso Stonehenge, é transportada para o ano de 1743. 

Rapidamente Claire tem que se adaptar e esconder o seu segredo de todos, procurando uma forma de voltar ao local através do qual viajou no tempo. No meio de toda a confusão desta improvável aventura, a heroína acaba por se ver casada com Jamie Fraser, por quem se apaixona. 

Não achei que este livro tivesse alguma coisa a ver com o "50 Sombras de Caca". Aque a autora empenhou-se em recriar um ambiente histórico rico em detalhes, que de certeza necessitaram de imensa pesquisa e trabalho. No entanto, penso que falhou na pesquisa histórica sobre o ano de 1945. História não é a minha especialidade, mas alguns pormenores, como a constante referência a antibióticos, ou aos turistas que tiravam fotos, saltam à vista! Em 1945 os antibióticos existiam, mas estaríamos a falar apenas de um - a Penicilina. Soam estranhas as constantes referências de Claire aos maravilhosos antibióticos, quando ela só teve contacto essencialmente com um, e apenas a partir de 1942 (altura em que a sua utilização se generalizou). A parte dos turistas e das câmeras é ainda mais chocante. Sim, as máquinas fotográficas já existiam, mas duvido seriamente que as pessoas andassem por aí a tirar fotos, como turistas japoneses.

Sim, o livro tem muitas cenas de sexo, mas não são explícitas e acabam por ser necessárias, pelo menos neste primeiro volume, visto que o objectivo da autora será criar uma empatia pelo casal protagonista. As cenas de tortura e de violência acabam por ser um extra, que advém da época em que Claire está e também da própria trama do livro. Sou da opinião de que cada cena teve o seu propósito, o que também distingue este livro do mencionado em cima. 

Outra coisa que é chocante, para a maior parte das pessoas que lê o livro, é a cena em que Claire é vítima de violência doméstica e depois acaba por entender porquê que "teve de ser". Sim, fiquei extremamente revoltada e apeteceu-me bater mais na personagem principal, mas as coisas antigamente eram mesmo assim. A violência sobre as mulheres era o "Pão Nosso de Cada Dia". Não, não está correcto, mas estamos a falar de 1873, há que contextualizar as pessoas. O Jamie podia ter fingido que lhe batia, mas para ele era uma coisa, tida como normal, que "tinha de fazer".

Resumindo, não foi uma leitura desagradável, no entanto penso que havia aqui um grande potencial com a história da viagem no tempo, que acabou por ficar para segundo plano. Algumas das cenas tinham uma duração demasiado longa, o que também dificultou a leitura, mas quem sabe se um dia não pego no segundo volume da série...




sexta-feira, 15 de Agosto de 2014

Pensamentos Soltos #2

"Tenho saudades do tempo antes da crise. Quando não pensava que uma Barbie de 25 euros era cara. Quando toda a gente andava feliz e só se queixava das doenças.Hoje, dez anos depois, são as doenças e o dinheiro. Parem lá de se queixar! A crise não existe! São vocês que fazem a crise!"

"Pergunto-me se as pessoas param para pensar no trabalho que estão a dar ao próximo, quando pedem algo na esplanada e uma pessoa tem de ir para dentro buscar a tal coisa, depois voltar e nessa altura dão-nos o dinheiro, que não está certo, e são mais duas viagens para fazer o troco. Ou seja, um total de 6 idas e voltas! PAGUEM NO BALCÃO À IDA EMBORA!"

" Era giro usar a música da Beyoncé "If I where a Boy", mas com "Se eu fosse um pombo". Cagaria na cabeça das pessoas! Muahahah!" 

"Não é por pedirem factura de uma merd* de 1 euro, que vão ser os maiores! Deixem de contribuir para o sistema! NÃO PEÇAM FACTURA!!"