sexta-feira, 15 de Agosto de 2014

Pensamentos Soltos #2

"Tenho saudades do tempo antes da crise. Quando não pensava que uma Barbie de 25 euros era cara. Quando toda a gente andava feliz e só se queixava das doenças.Hoje, dez anos depois, são as doenças e o dinheiro. Parem lá de se queixar! A crise não existe! São vocês que fazem a crise!"

"Pergunto-me se as pessoas param para pensar no trabalho que estão a dar ao próximo, quando pedem algo na esplanada e uma pessoa tem de ir para dentro buscar a tal coisa, depois voltar e nessa altura dão-nos o dinheiro, que não está certo, e são mais duas viagens para fazer o troco. Ou seja, um total de 6 idas e voltas! PAGUEM NO BALCÃO À IDA EMBORA!"

" Era giro usar a música da Beyoncé "If I where a Boy", mas com "Se eu fosse um pombo". Cagaria na cabeça das pessoas! Muahahah!" 

"Não é por pedirem factura de uma merd* de 1 euro, que vão ser os maiores! Deixem de contribuir para o sistema! NÃO PEÇAM FACTURA!!"




sábado, 9 de Agosto de 2014

Pensamentos Soltos #1

Ás vezes fico espantada com o nível de estupidez das coisas que me passam pela cabeça.

"Como é que será morrer como uma formiga comida por um Papa-Formigas? Será que se morre ainda colada na língua do predador, ou a nossa última memória será o suco gástrico a digerir-nos? Deve ser como entrar num túnel sem luz ao fundo! o.O"

"Porquê que as pessoas postam fotos delas mesmas semi-nuas no facebook, ou blog pessoal? E não estou a falar de fotos em bikini. Estou a falar de pessoas que o fazem para sei lá!"

"20 minutos a pé e 50 carros de "avecs" avistados; há mais emigrantes em Vila Real no Verão do que pessoas! Será que aquele BMW, o Mercedes, o Audi e o Porsche Panamera  são alugados? Não percebo porquê que se tem esses carrões não tem dinheiro para vir de avião! É mais confortável e possivelmente barato..."

"Se houvesse um Apocalipse zombie neste preciso momento,o melhor sitio para arranjar esconderismo era o Hospital Veterinário! Ao menos assim, quando me fartasse, podia sempre experimentar drogas. Além disso nunca na vida os zombies conseguiriam abrir aquelas portas pesadas. Já para não falar de que, na falta de melhor, havia comida de cão/gato para um par de anos."

 


quarta-feira, 6 de Agosto de 2014

"Cândido ou O Optimismo" de Voltaire

Porquê que continuo a espantar-me, sempre que acho um clássico fácil de ler?! Talvez seja o mito generalizado de que é obrigatório um clássico ser complexo, inelegível e aborrecido. Não será tão animado como certas cenas pornográficas de alguns livros que por aí andam, mas para quem acha isso e se sente intimidado pela própria palavra “clássico”, chegou a hora de rever aquilo que acham do género (se é que se pode considerar um género). 

Cada vez me convenço mais de que somos formatados para ter medo deles, quando, na maior parte das vezes, não há nada a temer! Um bom clássico, deve conseguir ultrapassar a barreira do tempo e, como tal, tem de ter uma linguagem acessível. O verdadeiro problema destes livros acaba por não estar na obra em si, mas sim na interacção com o leitor e na forma como este interpreta o que lê, ou na forma como lê. Muitas das ideias de um Clássico passam despercebidas a um leitor menos atento; Muitas são tão simples que, ao leitor demasiado atento, que lê como que para decifrar um código (como nos tentam ensinar na escola), acabam por parecer incompletas, ou indecifrável; pessoalmente gosto de ler sobre os livros depois de os terminar, para tentar complementar a minha interpretação e ver se de facto corresponde ao que li. 

Voltaire, escritor iluminista, é o autor de “Cândido, o Optimista”. Dando voz à forma de pensamento da sua era (Século das Luzes), em “Cândido, o Optimista”, somos brindados com as desventuras do herói homónimo, que tendo nascido como um nobre menor, vê os seus direitos revogados, por se apaixonar pela rapariga errada. As desventuras deste herói, jovem, ingénuo e simultaneamente optimista, vão sendo relatadas em tom de sátira. As personagens secundárias que vão surgindo, vão fazendo Cândido pensar para além do que o seu professor, defensor do optimismo incondicional, lhe ensinou e a verdadeira natureza da vida e vai sendo revelada na sua verdadeira magnitude. 

Ao ler este livro, e sabendo que foi escrito numa época totalmente diferente, não posso deixar de pensar que existe um paralelismo entre Voltaire e Saramago; É uma comparação ingénua, ambos foram bastante críticos face à Igreja e à sociedade, embora o último tivesse mais liberdade para tal, do que Voltaire possivelmente teria na época pré-Revolução francesa (Ele foi exilado por pensar e escrever o que achava! Saramago só não foi apoiado pelo Estado português). 

Deixo aqui uma passagem da qual gostei: 

“- Achais que os homens sempre se têm ocupado em massacrar-se uns aos outros, como agora sucede? – Prosseguiu Cândido. – Achais que sempre tenham sido mentirosos, velhacos, pérfidos, ingratos, ladrões, fracos, levianos, cobardes, invejosos, comilões, bêbedos, avarentos, ambiciosos, cruéis, caluniadores, debochados, fanáticos, hipócritas e estúpidos? 

- E vós, senhor – disse-lhe Martim -, achais que os gaviões sempre tenham comido quantas pombas conseguem apanhar? 

- Claro que acho – respondeu Cândido. 

- Pois se os gaviões têm conservado sempre o mesmo carácter, porque haviam os homens de ter mudado o seu? – continuou Martim.”

terça-feira, 5 de Agosto de 2014

Sábado e Domingo à tarde, numa tv perto de si.

Esta semana vinha um artigo no P3, do jornal Público, sobre a ausência de filmes de Sábado/Domingo à tarde na televisão portuguesa. O artigo falava sobre como estes, apesar de todos os seus defeitos, eram preferíveis ao que agora passa nas televisões - emissões em directo de foleirada, com a duração de 6 horas!

Embora isto possa até ser verdade (porque há imensa gente que não gosta/percebe os filmes, principalmente as pessoas de idade e prefere isto), o que é certo é que nem com os filmes de tarde me convenciam a ligar a televisão num fim-de-semana à tarde! Não é muito mais agradável ler um livro, dormir a sesta, jogar um jogo, ir passear, tomar café numa esplanada, ou simplesmente ver séries piratas no computador? 

Há muito que a televisão está condenada. Não é novidade nenhuma. Sinceramente, não seria o regresso dos filmes que iria prender o telespectador ao ecrã. Esses são telespectadores ultrapassados. Agora o que prende é a brejeirada, a falta de gosto, o fácil, o que não faça pensar. O público da televisão portuguesa é este e o que dá aos Sábados/Domingos à tarde, encaixa-lhes que nem uma luva. 


quarta-feira, 30 de Julho de 2014

3 Medicamentos que exigem cuidado!

Muitas pessoas acham que a única coisa que varia, quando falamos de medicamentos para animais, está exclusivamente no tamanho/dose dos mesmos. Por vezes é realmente assim, mas o organismo dos nossos animais domésticos nem sempre funciona como o dos humanos. Por essa razão, alguns medicamentos, que para nós tem um efeito benéfico, são extremamente nocivos para os nossos amigos de quatro patas. É também importante ter em atenção que os gatos não são cães pequenos! Existem diferenças entre estas duas espécies e alguns medicamentos que podem ser usados em cães são PROIBIDOS em gatos, pois este não os metabolizam de forma idêntica, o que os torna mais sensíveis! 


1) PARACETAMOL, conhecido pelo nome comercial de “Benuron” – as intoxicações por Paracetamol são comuns em pequenos animais. Este é um fármaco usado em medicina humana, pelas suas propriedades analgésicas, antinflamatórias e antipiréticas. Nos cães o principal problema em administrar Paracetamol tem a ver com a dose. É muito fácil ultrapassar o limite do aceitável para um cão e causar uma intoxicação por excesso de fármaco. Como consequência podemos ter graves lesões no fígado e rins, que podem ser fatais. O animal pode apresentar como sinais: vómito, depressão e perda de apetite. Nesta fase é importante estimular o vómito, para promover a eliminação dos comprimidos ingeridos (ver em baixo, como o fazer). 
No caso dos gatos, o quadro é mais grave. Meio comprimido de 500mg basta para provocar a morte de um gato adulto. A grosso modo, o que acontece é que os gatos tem níveis baixos da enzima responsável por metabolizar este medicamento. Por isso, os resíduos que se formam causam lesões não só hepáticas, mas também a nível dos glóbulos vermelhos, tornando-os incapazes de transportar o precioso oxigénio. Os gatos afectados surgem com um quadro que inclui anemia (pois os glóbulos vermelhos acabam por ser destruídos), urina de aspecto avermelhado (a hemoglobina, proteína existente nos glóbulos vermelhos “falecidos”, é a responsável por esta coloração), vómito, salivação excessiva, língua e mucosas azuladas (devido à falta de oxigenação), sinais de intoxicação hepática aguda, entre outros sinais clínicos. 
Aquilo que normalmente é feito, além da estimulação do vómito nos casos mais iniciais, é fazer terapia com administração intravenosa de soro, para ajudar a diluir e eliminar o agente tóxico em circulação, e administrar o antídoto – acetilcisteína. Também é recomendada oxigenoterapia, para ajudar o animal a respirar melhor. Uma intervenção rápida do médico veterinário é fundamental! Nos casos mais graves pode ser necessária transfusão sanguínea. 

 2) IBUPROFENO, conhecido como “Brufen” – este é um fármaco do grupo dos Antinflamatórios não-esteróides (AINE’s). É usado em Medicina Humana principalmente para o tratamento de dor de origem musculoesquelética e como antipirético. Aquilo que este medicamento faz é inibir a síntese de Prostaglandinas, o composto responsável pela inflamação/dor. Contudo, as prostaglandinas não tem apenas efeitos nocivos; algumas delas são responsáveis por proteger o nosso estômago contra a acção do ácido responsável pela digestão, e por regular a irrigação sanguínea de órgãos como os rins, por exemplo. Assim, estes antinflamatórios não vão apenas parar a dor. Eles também levam, em caso de terapia crónica, ou de sobredosagem, a uma falha na protecção do compartimento gástrico e ao aparecimento de úlceras, assim como ao aparecimento de lesões renais e/ou hepáticas. Os seus efeitos nos nossos animais são bastante imprevisíveis, pois as sobredosagens são facilmente alcançadas com um simples comprimido de 200g. Isto é mais grave em cães de pequenas dimensões e em gatos! Os sinais incluem: vómito (com ou sem sangue), anemia (devido à perda de sangue pelas úlceras), dor abdominal, letargia, desidratação, fezes escuras (devido à presença de sangue digerido), entre outros. 

O tratamento de intoxicações por Ibuprofeno inclui fluidoterapia intravenosa, a administração até 2h depois da ingestão do medicamento de carvão activado (aprisiona os tóxicos que possam existir no estômago, impedindo-os de chegar à corrente sanguínea), transfusão sanguínea (no caso de anemia grave) e tratamento das úlceras e dos sinais clínicos, como o vómito! Muitas vezes o veterinário pode requerer análises complementares, para avaliar se existe dano nos rins e fígado.
 

3) ÁCIDO ACETILSALICÍLICO, a famosa “Aspirina” - Este é um medicamento que pode ser usado, ainda que com precaução, nos cães. Pertence ao grupo dos AINE’s e actua da mesma forma sobre as prostaglandinas, sendo capaz de provocar os mesmos efeitos secundários no caso de intoxicação, referidos em cima. Normalmente é usada no tratamento de artrites em cães, mas o seu uso deve ser sempre aconselhado pelo médico veterinário, visto que pode interagir com outros fármacos e causar problemas ao peludinho. Existem actualmente alternativas mais seguras para canídeos com este tipo de problemas, como o Rimadyl (também um AINE’s - Carprofeno). No entanto é sempre importante fazer a sua administração por períodos não muito longos, e sob indicação do médico veterinário, devido aos efeitos secundários associados a tratamentos crónicos (como as úlceras gástricas). O uso de Aspirina também tem um efeito anticoagulante – reduz a propensão para a formação de trombos. É por isso útil em animais que tenham problemas cardíacos e propensão para a formação destas estruturas, mas PROIBIDO em animais que tenham alguma patologia que interfira com a capacidade de coagulação do sangue, como é o caso de cães com a Doença Hereditária de Von Willebrand. Também está contra-indicada a sua utilização em animais gestantes, ou com problemas renais/respiratórios) Nos gatos a administração de Aspirina pode ser fatal! Isto sucede, pois mais uma vez, o sistema enzimático dos gatos não está preparado para degradar o ácido acetilsalicílico. Assim, enquanto no cão o intervalo entre administrações de Aspirina é de 8h, no gato é de 40h ou mais horas! Além disso, basta uma dose mais pequena de Aspirina para se atingirem os valores de toxicidade. NUNCA DAR ASPIRINA A GATOS! No caso de uma intoxicação por Aspirina, não existe nenhum antídoto, como no caso do Paracetamol. Aquilo que é feito é o tratamento de suporte, para reverter os efeitos secundários. 


A auto-medicação é um problema comum, que deve ser combatido, não só nos casos de Medicina Humana, mas também em Veterinária. As pessoas devem entender que os animais não são seres humanos! O que para nós é benéfico, pode não o ser para eles! 
É fundamental consultar sempre um médico veterinário antes de fazer a administração de qualquer tipo de medicamento, nomeadamente Antibióticos e Anti-inflamatórios, mas não só!

terça-feira, 29 de Julho de 2014

Maneiras!

Nos últimos dias tenho andado em aventuras pelo OLX. Não esse tipo de aventuras! Refiro-me a venda de artigos, como livros escolares usados e outras bugigangas que tinha aqui por casa. Uma coisa que tenho notado é a falta de maneiras que muitas das pessoas interessadas têm! Não sou nenhuma Paula Bobone, mas começar um email com "Boa manhã/tarde/noite" não custa assim tanto. Idem para o "Obrigado/Cumprimentos", ou outra forma de despedida que prefiram.

Estão na Internet, mas não estão num Mundo diferente, quando se trata de ser educado!

Muito Obrigada.
Atenciosamente,

Alu Alves