terça-feira, 27 de junho de 2017

Uma aventura pela costa da Galiza - parte I

No dia 24 de Junho é feriado em Guimarães. Não é feriado por ser o São João, mas sim porque se comemora a vitória de D.Afonso Henriques na batalha de São Mamede. Como tal, aproveitamos para usufruir de um fim-de-semana prolongado (Sexta-Segunda) e na falta de grande orçamento, optamos por ir para a Costa da Galiza, em Espanha, mais precisamente para O Grove e Sanxenxo. 

Para quem mora no Norte de Portugal, a Galiza é um destino bastante atractivo. É relativamente próximo, tem o movimento do Algarve, praias de areia fina e para os mais anti-sociais, existem zonas de enorme sossego e privacidade. 



O nosso local de estadia chamava-se "Hotel Abeiras" e estava pontuado como 4*. Não é impressionante, para um local de 4*, mas fica bem localizado, entre Sanxenxo e o O Grove. O pequeno-almoço era bastante completo. Apenas alguns detalhes do quarto deixavam algo a desejar, como o facto do mini-bar não estar a funcionar. Isto fez com que andássemos 4 dias a almoçar pães de leite e pão com paté de atum e batatas fritas. Nem uma alfacezita, ou uma água fresca dava para ter. A vista para a estrada também não era muito agradável, mas lá está...não se pode ter tudo.



No primeiro dia exploramos a Illa da Toja (que não tem nada de especial, para além de casas de ricos e hotéis), a pequena vila O Grove e os arredores da península. Passamos parte da tarde de papo para o ar numa praia praticamente deserta e com água transparente (Praia da Meixilloeira). Como somos duas almas imparáveis (ahah!), cedo decidimos deixar a praia e acabar de contornar a península de carro, passando por mais algumas praias isoladas e indo ter a San Vicente do Grove, onde ficamos intrigados pela praia para cães que encontramos. 



Algo que achei espantosa foi a qualidade da água em todas as zonas que estivemos. Conseguia-se ver vida naquelas águas. Era toda de uma transparência invejável e admirável. Como é que estes locais estão tão perto do nosso país e as nossas praias portuguesas nem de perto tem aquela qualidade de água. Talvez tenha a ver com a turbulência e quantidade de ondulação que fustiga a nossa costa...não sei, mas a verdade é que cheguei a ver voluntários que num domingo de manhã rondavam as praias a recolher o pouco lixo que a maré trazia, ou que os seres humanos deixavam para trás. Em Portugal estamos a ziliões de anos luz disso acontecer com regularidade (corrijam-me se estiver enganada).



A única parte mais complicada das nossas mini-férias foi atinar com os horários malucos dos espanhóis! Eles almoçam e jantam super tarde! E depois é só tapas, tapas, tapas. Se quiserem comer refeições com começo, meio e fim, devem optar pelos restaurantes com menu! E não caiam no nosso erro de achar que o menu ia ser pouco...porque é sempre imensa comida!! Falarei mais acerca dos restaurantes num próximo post...

Entretanto...

Cometemos dois erros para os quais gostava de vos alertar:

1) Não atestem o depósito em Portugal. Passada a fronteira, o combustível é cerca de 15  a 20 cêntimos mais barato/litro. Foi uma burrice que fizemos sem pensar, com a pressa de ir de férias.

2) Evitem as portagens em Espanha. São caras e a maioria das estradas nacionais tem pouco movimento e estão em bom estado. No regresso optamos pelas nacionais espanholas e só entramos na auto-estrada em Portugal. Demoramos praticamente o mesmo tempo e a nossa carteira agradeceu. 

4 comentários:

fatima goncalves disse...

tambem adoro. apenas dois reparos: o gasoleo é mais caro em Espanha, a gasolina é que é mais barata e faltou visitar a ilha de Ons com saida em sansenxo. bjs

Ana Luisa Alves disse...

Olá! Então foi coincidência encontrar o gasóleo bem mais barato (1,05€/L). Em Portugal está a 1,11 (Intermarche) e 1,25 na Galp...Também fomos à ilha de Ons :D Mas só falarei dessa parte na Parte II (para manter o suspense! XD). Obrigada pela visita!!

Ângela disse...

Eu acho que é a gasolina e o gasóleo mais barato. Só que na gasolina a diferença é muito maior.
Quando na Páscoa fomos a Espanha, eu já me estava a passar. Era só tapas em todo o lado e eu queria comida a sério. Andei mais de 1h entre restaurante e restaurante. Eu a morrer de fome... O menu era, como dizes, com muita comida: 2 pratos. Pedimos só um e fizeram uma atenção ao preço.
A mesa sem toalha. Pedimos para arranjar qualquer coisa porque a mesa não parecia muito limpa. O chão todo porco. Um dos talheres caiu ao chão à nossa frente e o senhor pôs na mesma na nossa mesa, como se nada tivesse acontecido. Acredito que aconteça isso montes de vezes, mas à frente do cliente fica mal. Digo eu.
Nota muito negativa para comidas e restaurantes espanhóis. Ou sou eu que sou esquisita.

Ana Luisa Alves disse...

A comida era simplesmente muita. Até podia não ser grande coisa, mas era um exagero de quantidade. E em Sanxenxo foi horrível a busca por um restaurante. Era tapas tapas tapas e eu só queria era jantar! XD