sábado, 10 de junho de 2017

Nazi das adopções

Toda a gente tem o direito de adoptar um animal. No entanto, nem toda a gente devia poder fazê-lo. 

Já tive esta discussão com várias pessoas. A maior parte das que trabalha com animais/associações, normalmente, concorda comigo. No entanto, quem não lida directamente com o flagelo dos animais abandonados/mal-tratados, discorda várias vezes. É nessas alturas que me sinto a nazi das adopções!

Quase todos os dias aparecem na clínica pessoas que tem uma "praga" de gatos/cachorrinhos em casa. Começaram por ter uma gatinha/cadelinha, que depois "emprenhou" uma vez, duas vezes, três vezes...Normalmente vem lamentar-se que tem muitos gatinhos/_cachorrinhos e que andam todos por lá e vem pedir a pílula para dar às gatas/cadelas (um dia escrevo aqui os malefícios e riscos da administração da pílula). Normalmente estas pessoas nunca levam os animais ao veterinário, ou só o fazem quando os animais já estão todos minados e eles já tentaram de tudo antes. Tudo porque é caro ir ao veterinário. Que se lixe o bem-estar dos bichinhos!

Depois há as famílias que dão às crianças um gatinho, ou um cãozinho. O problema surge, quando percebem que dá trabalho educar os animais e os filhos perdem o entusiasmo e deixam de "ajudar". O animal estrago tudo. O animal faz barulho. O animal tem de ir à rua. O animal não é um peluche. O animal tem de ser "arrumado"/despachado. 

Não se esqueçam também daqueles que arranjam aquelas raças exóticas: persas e spitz. Pêlos tão fofinhos!!! Mas que muitas vezes chegam até nós para tosquias a máquina zero, porque em casa toda a gente se está a marimbar para o coitado do bichinho. Aparecem com nós que causam feridas na pele e, em casos extremos,  impedem os animais de defecar e urinar de forma conveniente. Uma verdadeira vergonha. "AH ele está assim porque ontem fugiu de casa e andou no jardim..." Sim, e nós nascemos ontem. 

E com estes três exemplos eu deixo aqui a minha opinião "nazi" - só deve ter animais, quem tenha dinheiro e tempo para cuidar dele. Se não tem dinheiro para poder oferecer comida de qualidade mínima e cuidados de saúde básicos, não tenham animais. 

Realmente o nosso estado português está muito atrasado no que diz respeito aos cuidados com os animais. Fomos dos primeiros a proibir a pena de morte de seres humanos, mas só no século XXI é que começamos a aplicar leis, que protegem os nossos animais. Proibiu-se o abate em canil, mas não se incentivou ou subsidiou a castração dos animais de companhia das famílias portuguesas. Resultado: temos os canis cada vez mais cheios, onde os animais se matam por falta de espaço. Bela lei essa. Não oferece solução, apenas cala os pseudo-defensores dos animais, que não tem noção do que realmente se passa e que pensam que proibir o abate resolve todos os males. Devíamos ir à raiz do problema. O estado deveria tornar obrigatória a castração dos animais adoptados e deveria oferecer apoio às famílias carenciadas. 

Enquanto isso não acontece, não tenham animais se não puderem suportar os custos! 

Ass - A Nazi das Adopções.

2 comentários:

Ângela disse...

Eu sou também um bocado radical num outro assunto que não posso dizer (porque podem cair-me em cima aqui nos comentários) mas acho que se aceita tudo e às vezes é preciso dizer as verdades na cara, só que os outros não gostam de ouvir.

Ana Luisa Alves disse...

uuuh! agora fiquei curiosa...pois, é raro podermos dizer as verdades na cara. É por isso que tenho o blog ahaha