quinta-feira, 22 de agosto de 2013

10 vantagens das Bibliotecas Públicas

Sou muito poupada. E isto não é um eufemismo. Acredito que tenha sido a sociedade que me moldou para o ser. Com mil notícias por dia sobre a crise económica e, sendo eu sustentada pelos meus pais, é complicado para mim não o ser. Assim, a única altura em que recebo livros é no Natal, na Páscoa e no meu Aniversário.

Como é que faço para ter acesso a outros livros? Visito a Biblioteca Municipal.
Algo que já reparei, não só por essa blogoesfera fora, mas também nas pessoas que conheço pessoalmente, é que são raras as pessoas que visitam as bibliotecas públicas; são mais as que compram livros do que as que optam por requisitar.

Como utilizadora recente de Bibliotecas Públicas (frequento duas há aproximadamente seis anos) elaborei esta lista de 10 vantagens associadas a estes locais tão pouco valorizados:
 
 
 
1) A primeira, e mais óbvia, razão é o acesso gratuito (ou quase, se considerarmos a taxa anual de sócio, que ronda os insignificantes dois euros) a centenas de livros; desde literatura dos autores clássicos a obras mais contemporâneas e comerciais; Adoro entrar na biblioteca e olhar simplesmente para os títulos e para as mil possibilidades de escolha gratuita.

2) Acesso a inúmeras revistas e jornais. Muitas bibliotecas disponibilizam também filmes e álbuns, que podem ser assistidos/ouvidos no local ou requisitados gratuitamente durante alguns dias;

3) São uma importante base de dados associados à história de todo o município; 
 
4) São locais muito agradáveis para estudar, ou simplesmente ler e desfrutar de um momento de silêncio. É até comum ser um local para horas de explicações com os professores.
Pessoalmente adoro o cheiro a "livro" e só isso faz-me entrar mais facilmente em modo "concentração para estudar";
 
5) Aceitam sugestões de novos livros para a colecção, o que é óptimo para aqueles que queiram acompanhar as últimas novidades do mundo literário, ou encontrar edições de clássicos mais raros;
 
6) São excelentes locais para entreter as crianças, o que é óptimo para aqueles que dizem não terem disponibilidade para as visitar por causa delas;

7) Organizam inúmeros e variados eventos culturais, além de serem locais de divulgação dos mesmos;

8) Oferecem acesso gratuito às publicações de inúmeras revistas e jornais (incluindo muitas vezes os diários);
 
9) São uma gigantesca base de dados e muitas vezes a única forma de acesso à cultura por parte de muitas famílias carenciadas. Muitas delas emprestam inclusive manuais escolares durante o período lectivo;

10) São o local de encontro para muitas das pessoas que se encontram reformadas, ou desempregadas; são uma forma de terapia contra a solidão.

 
 
 


4 comentários:

Pitux disse...

Na Biblioteca da Póvoa de Varzim não há taxa anual de sócio. :) Sou sócia há mais de 15 anos e nunca paguei nada. :)

Mónica Silva disse...

Concordo plenamente com as razões que inumeraste! Sou frequentadora assídua da minha biblioteca municipal, vou lá todos os meses. É que o dinheiro não dá para tudo e alguns livros só mesmo requisitados :/

Sara disse...

Penso que ainda é uma questão de mentalidade: as pessoas ainda pensam que as bibliotecas são sítios obscuros, com teias de aranhas nos cantos, livros velhos e um bibliotecário carrancudo...Eu quando andava na faculdade costumava requisitar livros, sem ser de estudo, e adorava trabalhar lá...Á biblioteca da minha zona não vou muito, mas ando para mudar isso. Acho que se devia investir mais nas bibliotecas escolares e, no geral, torna-las mais ágeis e menos burocráticas...De qualquer forma não é difícil encontrar livros a menos de cinco euros por aí. É um lado da crise...

cumps

Alu disse...

Pitux - Isso é excelente, mas eu entendo que a taxa seja uma espécie de salvaguarda contra maus utilizadores. Afinal um euro e meio por ano (no caso da minha biblioteca) é irrisório, considerando todos aqueles livros, filmes e musica a que temos acesso.

Mónica - Exactamente! Não percebo é porquê que há tanta gente que não as usa e prefere comprar comprar comprar (e passar fome para o fazer).

Sara - realmente acho que tem a ver com mentalidades, mas não tanto por serem sítios obscuros. Acho que as pessoas tem vergonha de requisitar livros, talvez por inicialmente as bibliotecas serem utilizadas por pessoas com menos posses. Tudo isto anda em volta de um dos principais defeitos dos portugueses: o medo de que achem que eles são pobres.