quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Livros da livraria ou dos hipermercados?

Hoje, enquanto passeava com o meu namorado pelo shopping, entrei no hipermercado e pus-me à procura de um livro pelo qual sinto alguma curiosidade. Esse livro estava disponível e custava doze euros. Mais tarde, quando entrei na Bertrand procurei o mesmo livro e encontrei-o, mas o seu preço era de vinte euros.

Mas que é que se passa?! Querem fazer das pessoas burras?

A única coisa que a Bertrand tem, que o hipermercado não tem, é o cheirinho a livros novos, que, a meu entender, não chega para fazer as pessoas comprarem o mais caro em tempo de crise.

Cada vez sinto mais que a indústria dos livros nos anda a querer enganar. Primeiro com os marcadores de livros pagos, e depois com os preços super altos relativamente aos hipermercados.

Será que agora há linha branca dos livros, e que a única diferença é que vem sem cheiro característico?

6 comentários:

Andreia disse...

Interessante reparares nisso. Também já verifiquei que isso por vezes acontece. A minha técnica é a seguinte: quando quero comprar um livro faço o seguinte caminho no Colombo, Fnac - Worten - Continente (não gosto muito do modelo de pontos/descontos da Bertrand). No local onde o livro está mais barato é onde compro (e onde está em melhor condições, por vezes na Fnac os livros estão muito, hum, 'usados' o que me faz ir à Worten, por exemplo).

MERCEDES disse...

Gosto de la Biblioteca. Musus

sara disse...

olá,

Quando se compra um livro na FNAC, por exemplo, não se paga só pelo livro paga-se os livros arrumados por ordem, as pessoas que estão lá para nos fazer a enconmenda, o café, os sofás, ect...em suma paga-se um serviço. Nos hipers é chegar e meter no carrinho....eu costumo comprar livros nos hipers, especialmente nas promoções...é um modo de poupar, ás vezes tb compro livros usados ou assim...

cumps

Ana Luisa Alves disse...

sara - Antes de mais obrigada pelo teu coment :)
Será que compensa pagar mais 10 euros só porque os livros estão mais arrumados? Falando no caso específico da FNAC, o café não esta incluidono preço dos livros, pois quem o quer tomar não paga menos se comprar um livro. Quanto ás encomendas, podes encomendar na mesma um produto num hipermercado. Na minha opinão a unica diferença é mesmo o ambiente e o facto de ser mais arrumado, como disseste. Mas geralmente quando vou a esse tipo de superfícies comerciais, já vou com um livro em mente, e quer o funcionário do hipermercado, quer o funcionário da FNAC podem dar me a resposta para a minha pergunta: Tem o X livro?

cumps!
Alu

sara disse...

Oi,

Os livros quando saem da editora, têm um preço de venda ao público. Este preço pode variar dentro de certos limites. Por exemplo, um livro que custe 18 euros na Fnac, pode custar 16 no continente. Esta diferença no preço, representa o serviço que a Fnac presta e o hiper não. Mas era boa ideia pagar-mos menos quando não gostamos do serviço...alguns livros na fnac parecem mais usados que novos -_-

Eu vou à lá quando preciso de livros especificos (tipo livros técnicos), quando o livro que procuro é antigo ou está esgotado...

cumps

Patrícia disse...

Completamente de acordo. Apesar de não ser uma frequentadora assídua de hipermercados acho óptimo quando encontro lá o livro que quero. Sou fã de feiras do livros e livros em segunda mão.
E reparo cada vez mais que livrarias como a Fnac têm os preços cada vez mais altos. Sei que a Bertrand tb os tem, mas tenho-lhe um carinho especial desde miúda e acabo sempre por voltar. Como diziam num outro comentário irritou-me a promoção de Natal (5€ de desconto em compras sup a 25€???) mas gosto do sistema de pontos. uns vales de 10€ de vez em quando são uma óptima desculpa para comprar mais um livros.
boas leituras