segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Diário de uma Estagiária #Pela primeira vez....

Pela primeira vez na vida, fui mordida por um cão. Chamava-se Shakira. Felizmente foi uma mordidela de aviso, na mão direita e fiquei só com a mão inchada e dorida, com um pequenino furinho....para Pastor Alemão cruzado com Husky, de 48 kg até que não foi mau de todo. 

A parte pior é o medo com que ficamos depois do susto que apanhamos. Ainda demorei uma semana e pico a voltar a ter confiança nos animais e dou por mim a perguntar SEMPRE, se o cão é bonzinho, ou se é diabrete no veterinário. Em caso de dúvida meto sempre o açaime. 

 
Nesse mesmo dia, levei também para casa três arranhões de gato, no braço direito. Mas desses já tive alguns na vida. 

São estes pequenos episódios que nos vão tornando imunes e mais sábios. Prevenção acima de tudo!

2 comentários:

ℒιℓιαηα ღ disse...

Acho que se deve prevenir sempre e mesmo perguntar "ele é bonzinho", é assim, com o dono até é, com todos os outros também, mas naquele dia pode estar com os "azeites" e não ser, nunca se sabe.
O meu gato Nemo adorava a veterinária (eu adoro-a!) mesmo pela maneira como ela os trata, como se preocupa, até liga a perguntar como eles estão (como foi depois das castrações), tudo. E o Nemo quando ia ao veterinário (e só pedia para ser atendida por ela) até se roçava nela, andava por cima do teclado, da cadeira, ali o rei daquilo. Desde que veio comigo quando fomos buscar o meu outro gato, o Castiel da castração e o Nemo quase que atacou o Castiel (não o reconhecia sem os tins tins, sei lá) ficou passado!
Agora detesta lá ir, até bufa à veterinária a quem antes ronronava e já não anda lá a passear como se fosse o rei (e ele foi castrado lá, antes do castiel, uns 8 meses antes e portou-se lindamente, recuperou lindamente e depois de castrado ficou exactamente na mesma a adorava a veterinária na mesma), mas houve algo ali.... Não sei... Nunca mais foi o mesmo e se lhe deixar-mos, antes que até lhe podíamos fazer tudo, quase até pegar ao contrário ele agora mia, parece um grito, arranha, ROSNA! e morde se for preciso!

Nunca se sabe, tanto com pessoas como animais o que vai sair dali, mas especialmente com animais, eles sentem o medo. Não estejas sempre com o medo presente se não ai acontece mesmo. Vive o dia a dia, quando acontecer algo resolve-se na altura. Pronto.
É difícil, o medo é difícil, a desconfiança é difícil, mas viver no medo é ainda mais.

Boa sorte ;)

Ana Luisa Alves disse...

Deve ter ficado traumatizado e associa o cheiro a veterinário a uma má experiência...ou então é a idade...os animais, quanto mais velhos ficam, também ficam menos permissivos, especialmente os gatos!

Tento não ter medo e mostrar-me confiante com as pessoas. Só senti esse medo durante a semana seguinte a ser mordida, mas como fui forçada a continuar a trabalhar acabou por passar e agora já estou outra vez mais confiante. Este é um emprego com muitos desafios, mas se não fosse assim também acho que não gostaria!

Obg! :)