segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Viajei no Tempo

Estas férias têm sido muito bem aproveitadas. Entre os mergulhos na piscina, a viagem a Itália e o voluntariado num hospital veterinário, aproveitei para passar um fim-de-semana na Feira Medieval de Santa Maria da Feira. Onde eu moro também é costume realizar-se uma pequena feirinha medieval, mas sem dúvida que a da Feira é muito melhor. 


Depois de uma viagem calma de comboio e autocarro, cheguei a Santa Maria (porquê que as pessoas preferem dizer “Feira”?) já era hora do almoço. Comprei a pulseira (2 euros) e iniciei o retrocesso no tempo que me conduziria aos tempos Medievais. Gostava de ter arranjado roupa apropriada para a época, mas em tempo de crise convém trazer o disfarce de casa.



Não faltavam barraquinhas de artesanato e comida. Desde as típicas “fogaças” até aos mais comuns pães com chouriço, tudo havia em abundância, e se pretenderem visitar esta feira irão de certeza gastar bastante dinheiro nestas iguarias, a não ser que consigam resistir (coisa que eu não consegui). No entanto, se por outro lado preferem iguarias e artesanato mais exótico, podem sempre visitar o bazar árabe onde encontrarão desde o típico chá de hortelã-pimenta até ás igualmente típicas chinelas marroquinas. 



Depois de uma sangria fresquinha chegou a hora de visitar o castelo (3 euros), um dos mais completos exemplos de arquitectura medieval do país. Gostei particularmente das torres do castelo e da vista magnífica, mas (desculpem a sinceridade) achei o preço da visita exagerado.

Quando a noite se começou a aproximar o recinto começou a encher, ao ponto de ser impossível arranjar local onde comer /respirar (típico Sábado á noite). Para evitarem esta situação, aconselho-vos a visitarem a feira num dia durante a semana. Corri (tentei correr) para o local onde se iria realizar um dos muitos espectáculos gratuitos, denominado “Honra e Glória” e deliciei-me com uma agradável simulação das tácticas de guerra medievais contra os mouros (Será que os vendedores marroquinos acharam piada?). 
No final deste dia já não aguentava mais nada. Fui para a minha tenda e dormi. 

No geral gostei muito da Feira Medieval, embora tenha que referir que a higiene e número das casas de banho poderiam ser melhorados, principalmente na zona de acampamento, em que não havia separação de género, nem mesmo na zona dos urinóis (WTF?!), e a limpeza do local era reduzida. 

Claro que a viagem não podia terminar sem alguma peripécia. Ao voltar no comboio urbano (Porto-Braga), senti uma necessidade incontrolável de utilizar o WC, mas como os nossos espectaculares comboios urbanos não tem esse tipo de compartimento, tive que sair em Rio Tinto. Para meu infortúnio, a estação de Rio Tinto estava fechada, o que quase me fez chorar, por isso corri para o café mais próximo, chamado “Ribeirão” (acho eu) e fiz o que tinha a fazer. Quando saí da casa de banho comprei uma água das pedras, só para não parecer mal e esperei mais uma hora pelo próximo comboio. 

FIM.

2 comentários:

Leitora disse...

Olá
Já ouvi falar muito deste evento, até já combinei que para o ano no percurso das férias vamos passar por lá.
Boa leitura;)

Ana Luisa Alves disse...

Recomendo vivamente!