domingo, 5 de setembro de 2010

"Cidade Proibida" - Eduardo Pitta

Sinopse

“Embora dê aulas em Lisboa, é em Londres, na Primavera de 2001, que Rupert conhece Martim. O encontro muda a vida dos dois. De regresso a Portugal, Rupert troca o seu modo de vida pelo de Martim. Por seu intermédio, acede a um meio que lhe é completamente estranho, o das famílias tradicionais com casa no Estoril e assento em poderosos conselhos de administração. Contrariado, vê-se obrigado a privar com um grupo de homens arrogantes com quem Martim estava habituado a programar temporadas de ópera em Nova Iorque e Salzburgo, carnavais em Veneza e compras em Milão. Rupert sabe que não faz parte desse mundo. Tudo visto, a única cedência de Martim foi ter concordado em deixar o gato em casa da mãe para ir viver consigo. No resto manteve-se inflexível. E certo alheamento da realidade fez com que levasse tempo a perceber que a história de ambos era atravessada por zonas de sombra... Cidade Proibida é o retrato de uma certa Lisboa, na actualidade.”


“Cidade Proibida”, de Eduardo Pitta, para mim não foi mais do que um romance medíocre, que tem unicamente de positivo dar a conhecer certos aspectos da “comunidade gay” que muita gente ignora. A escrita é clara, acessível sem felizmente atingir o patamar de vulgar que caracteriza certos escritores portugueses, como a Margarida Rebelo Pinto (*vómito*). No entanto, a história não me cativou, principalmente pela análise um pouco superficial das personagens. Falta profundidade às personagens da história. (3/7)

6 comentários:

Patrícia disse...

bem... qdo o comprei, juntamente com o jornal, li as primeiras páginas e achei-lhe piada. Está em lista de espera mas depois desta critica desceu alguns lugares....
boas leituras

Patrícia disse...

bem... qdo o comprei, juntamente com o jornal, li as primeiras páginas e achei-lhe piada. Está em lista de espera mas depois desta critica desceu alguns lugares....
boas leituras

Ana Luisa Alves disse...

O gosto literário varia de pessoa para pessoa. A mim a obra não me convenceu, mas não desista por causa da minha opinião pessoal :)
Cumps!
Alu

ThayFreir disse...

Adoro quando as pessoas são sinceras.. tem muita gente por aí q tem "medo" de flar mal de um livro.. obrigada por nos ter dado a sua opinião verdadeira.. bjoss

Ana Luisa Alves disse...

Obg por passar pelo meu blog e deixar o seu comentario! tento ser o mais sincera possível, apesar de poder ferir certas susceptibilidades :)
Cumps!

João S. disse...

Concordo inteiramente com a crítica, o livro é completamente superficial, e se pior, se for visto como um retrato dos homossexuais portugueses, dá-lhes uma imagem completamente distorcida da realidade. É certo que Portugal continua a ser um país muito desigual, mas já era tempo de ultrapassarmos estas estorinhas de patrão vs emprego, já bastam as novelas da TVI.