domingo, 28 de maio de 2017

Uma série de divagações/frustrações



(CLIQUEM NO VIDEO EM CIMA, PARA BANDA SONORA DRAMÁTICA)

Volta e meia dou uma limpeza na lista de blogs que vou seguindo. Fico triste com a quantidade de blogs literários que se transformam em montras e perdem a sua verdadeira identidade. Talvez eu seja na realidade uma miúda com a "puta da mania", mas já lá vai o tempo em que queria sacar livros às editoras (consegui uma, ou duas vezes). Claro que, quando escrevia o que realmente achava do livro era o fim do negócio. Sou péssima a lamber cus e a engraxar sapatos. 

Também não interajo muito no mundo dos Blogs. Deve ser por isso que por aqui também não há muita interacção. Agradeço a quem vai passando. Gosto sempre de ir espreitar com regularidade o Desabafos Agridoces da Sara e leio uma série de posts do Man's Repeller. Realmente sou pouco interactiva. Devo ser um bocadinho self-absorved (nem nisso sou original...).

Damn! Se eu soubesse que a vida de adulta ia ser assim, teria dito ao meu eu criança, para se deixar estar e não querer crescer tão depressa. Quando der por mim, vou estar a ter um bebé, para tentar criar alguma emoção na minha vida. Bem, dramática continuo a ser. 

Ah e tal há que encontrar equilíbrio no dia-à-dia. Porque a viagem é que é a felicidade, diz quem é rico e quer manter o povo controlado e satisfeito com a sua mediocridade. Desculpem a acidez do post de hoje. Deve ser do tempo, ou do meu ciclo menstrual, mas estou cansada de ouvir que há fases da vida assim. 

Ontem dei de caras com gravações que fiz quando tinha 13 anos. Aquilo era genial. Uma série de filmes com enredos clichés, Barbies e Action Men's nos papeis principais. Para onde é que foi aquela criatividade toda?! Um dia, quando atinar com o Adobe Premier tenho de publicar aquilo no Youtube. 

E o meu plano para conquistar o mundo? Tinha tantos! Um deles incluía criar rebuçados Mentos individuais. Seria genial. Claro que alguém se antecipou. Também ia ser realizadora de filmes da National Geographic. Hoje nem a reciclagem faço e conduzo um Nissan Almera de alta cilindrada. QUEM SOU EU?! O que fizeram comigo?!

Podia culpar o facto de não ser feliz à minha condição de ser mulher. Afinal seria tão mais fácil desapontar as pessoas se fosse um homem. Era só fazer acontecer. As pessoas nem iam julgar. Queria deixar a veterinária depois de 7 meses de trabalho? Força aí! Vai dar a volta ao mundo e tirar fotografias. O teu relógio biológico não interessa. Podes perfeitamente ficar para tio. É aceitável. 

E se eu deixasse veterinária o que quereria ser? Mas isto parece tão familiar. Foi assim, quando deixei as Belas Artes...se calhar o problema não é o trabalho. O problema sou eu. 

Não faço puto ideia o que ando a fazer com a minha vida. Alguém faz?! Se tiverem um tutorial enviem o link nos comentários em baixo. 

Atenciosamente,
Luisa. 



2 comentários:

Ângela disse...

1- já por isso é que eu nunca quis crescer. Sempre detestei o comentário "estás tão grande" que se diz às crianças.
2- não fazer a separação do lixo é muito mau. Fiquei chocada.
3- pois, concordo com isso dos blogs das montras. De blogs de livros acho que só tenho dois, sendo que o teu acaba por ser mais blog pessoal do que de livros, o que me agrada mais. :-)
4- de resto isso passa. Qualquer dia já estás normal. Esse desabafo pode ser de uma adolescência tardia. :-) (embora eu sinceramente acho que a adolescência dura até aos 26/27 anos)

Ana Luisa Alves disse...

LOL tens de ver a reportagem da RTP 1 sobre a reciclagem, que passou na sexta feira passada - eles fazem reciclagem do lixo indiferenciado à mesma e é mais rentável do que vir buscar o que o povo separa. É por isso que há uns anos para cá deixaram de publicitar o ponto verde e a reciclagem. Enfim...mais um conjunto de mentiras.

Obg pelo comentário! Se calhar também preciso é de férias! XD